empreendedor

Funcionário x Empreendedor: Qual escolher?

Fala, pessoal! Tudo beleza por aí?

Hoje quero abordar um assunto que já preocupou muitas pessoas e que diariamente discuto com amigos e conhecidos, presencialmente e online: a escolha entre ser funcionário ou ser empreendedor.

Já vou deixar claro aqui que não defendo x ou y, aprendi a respeitar ambos e essa escolha deve ser individual. Afinal, não existe certo ou errado: é simplesmente uma questão de escolha e consequências.

Vamos começar pela fase da dúvida, aquele momento em que você começa a colocar em xeque se o que está fazendo é realmente para si ou para os outros. Seja você funcionário ou empreendedor, vou listar alguns pontos aqui para deixar claro que ambas as escolhas têm vantagens e desvantagens. Sendo assim, coloco minha visão, o que eu vivo, sem regras e nem julgamentos.

Ser funcionário

Você será contratado por ser especialista em algo, podem até dizer que o profissional hoje em dia precisa ser híbrido, mas você já viu alguma vaga com o título: ”vaga para profissional híbrido”?

É muito normal vermos anúncios para analista de marketing, gerente financeiro, diretor administrativo…

Provavelmente terá um horário fixo de trabalho, como das 8h às 12h e das 13h às 17h45, cumprirá as horas semanais e não terá muita flexibilidade para isso (na maioria das empresas), ou seja, trabalhará em média 8 horas por dia no modelo segue a boiada.

Terá que seguir processos que foram desenhados para “aumentar a produtividade” e não terá muita autonomia para sair daquilo. Aqui é onde a criatividade vai para o ralo, mas processos são fundamentais para qualquer empresa de qualquer ramo de atuação.

Terá benefícios como férias, décimo terceiro, folga remunerada, talvez um convênio, vale-alimentação e refeição, vale-transporte e mais alguns.

Será elogiado por ter conseguido um emprego, seus pais ficarão orgulhosos por ter um filho trabalhador. Se passar em concurso, então, aí você vira o REI…

Terá muitos chefes durante toda a sua jornada como funcionário e poderá também ter alguns líderes (aqui a coisa fica boa de verdade rsrsrs).

Ah, e você tem o FGTS e a multa do FGTS caso seja demitido. Tudo bem que isso é a maior enganação, pois pegam seu dinheiro, pagam uma merreca (chega a ser vergonhoso) de correção, mas como você não entende nada de educação financeira, acha o máximo ter uma conta FGTS e vê isso como um benefício.

Tem mais coisas aí que eu poderia listar, mas não vou me alongar e acredito que já pode te ajudar na escolha. Agora, vamos para o lado empreendedor.
Poderá ter muito sucesso, se realizar, ficar rico… Mas terá que pagar o preço exigido para tais pontos.

Ser empreendedor

Você terá que desenvolver milhões de habilidades: se começar do zero ou praticamente do zero, você vai precisar desenvolver seu lado psicólogo (lidar com funcionários, fornecedores e clientes), gestor financeiro, contábil, recursos humanos (contrate devagar e demita rápido) administrador (gerenciar um negócio), marketing, tecnologia, Bombril, se vira nos 30 etc.

Terá liberdade de horário, poderá fazer seu horário de quase 12 horas diárias de trabalho ou mais em qualquer período, pode trabalhar manhã, tarde e noite ou noite, tarde, noite e por aí vai.

No começo do negócio, será desacreditado por muitos, perderá amigos, mas eles voltam (ou para puxar teu saco quando você tiver sucesso, ou para soltar aquele “Eu te avisei” se você falhar). Já vi muitos empreendedores brigarem com a família e alguns até desfazerem casamentos, mas isso não é regra. Essa parte é a mais difícil, pois tem hora que você olha para os lados e se vê praticamente sozinho e então precisa desenvolver a resiliência. Essa sim é uma das melhores amigas do empreendedor.

Será chefe, mas terá que se tornar um líder. Saber liderar é fundamental para o sucesso do seu negócio, ainda mais nos tempos atuais e aqui você vai apanhar muito para aprender, mas vai valer cada porrada – pois o aprendizado é uma grande construção do seu eu interior. Você, com certeza, se tornará uma pessoa melhor. Mas, para isso, é necessário humildade, ética e responsabilidade.

Não terá FGTS (aliás, você pagará FGTS), mas poderá ter acesso a linhas de investimentos com retorno muiiiiiito melhor que essa porcaria.

Fará novos amigos e terá que selecionar muito bem cada um deles, desviar das antas, o que é muito mais difícil que matar um leão por dia.

Precisará ser firme no seu propósito de empreender, ainda mais no Brasil, onde tudo parece jogar contra quem quer montar um negócio.

Poderá ter muito sucesso, se realizar, ficar rico… Mas terá que pagar o preço exigido para tais pontos.

Listei apenas alguns pontos de ambos os lados. O que é melhor para cada um vai depender de vários fatores, perfil, vontade de arriscar, coragem, mindset…

O que eu indico?

Aquilo que te realize ou pague suas contas. Se puder ter ambos, é o melhor cenário.
Muitas vezes, na vida, precisamos escolher o melhor naquele momento.
Meu perfil é o de arriscar, não me vejo mais trabalhando no formato tradicional, mas isso é uma escolha minha dentro do meu perfil, e arco com as consequências delas: em pouco mais de dez anos empreendendo, já quebrei, vendi empresas, criei novas e continuo seguindo em frente, passei por momentos muito difíceis, perdi amigos, fui desacreditado algumas vezes, mas não desisti. Hoje me vejo mais maduro e acertando mais, tenho cursos, programa de mentoria, mais de cem alunos, três negócios distintos em atividade e amo o que eu faço.

Lembre-se: nada vem da noite para o dia, não acredite nisso. Tudo precisa de preparação. Empreender ou ser funcionário, ser bem-sucedido no que você escolher leva tempo e muita, mas muita, preparação mesmo. Então, estude muito, pratique muito, erre, conserte rápido e, principalmente, aprenda com os erros.

Deixo um grande abraço e desejo sorte em sua jornada.

Deixe um Comentário

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *