História empreendedora.

Demorei 34 anos para descobrir o que realmente me motiva, antes aos 20 anos, achava que ter uma agência digital era a minha paixão, no começo criar um site, inovar, gerar resultados para meia dúzia de clientes me bastava.

Passaram-se aos anos e hoje vejo que a minha paixão está em empreender, desafiar, planejar fazer algo que a massa possa consumir e também se apaixonar, certa vez ouvi de um amigo que a minha profissão não era a de “marketeiro digital” e sim a de empreendedor, não dei muita atenção na época, mas hoje vejo que é a pura verdade.

 

realização-profissional1

 

Os anos passaram eu amadureci e o mercado mudou muito também, o que me deu mais espaço, foi aquela atitude de abrir a primeira empresa, e que hoje me da uma satisfação para tudo que faço, fui chamado de louco, sonhador, irresponsável e mais alguns adjetivos que não vêm ao caso agora, rsrsrs.

Os que me julgaram, hoje dão o braço a torcer, me apóiam e vibram a cada matéria minha no jornal, site ou televisão, enfim novos tempos, novos modelos, os profissionais não buscam mais somente o dinheiro, buscam a satisfação a paixão e o reconhecimento, as salas de reuniões antes restritas somente aos engravatados de meia idade que expiravam arrogância hoje são lotadas por jovens de bermudas, camisetas que nem sequer chegaram a faculdade ainda e são mestres em video-games e conseguem verdadeiras fortunas em negócios através de conhecimento real e prático, e não somente aquela baboseira teórica que se engole na faculdade, sim meus amigos faculdade é muito importante na vida de qualquer pessoa, é um rito de passagem, ensina o indivíduo a pensar (ou não), então não deixe de faze-lá se julgar necessário, mas não faça somente ela, vá em busca da prática do dia a dia. Quantos de vocês que estão lendo este post já pensaram o seguinte: 4 anos de estudo e não uso nada do que aprendi na faculdade.

Hoje o profissional que for capaz de entender os anseios do seu público-alvo este sim irá se destacar e para isto é necessária a técnica TBC (tirar a bunda da cadeira) ir atrás, analisar, interagir, inovar e entregar algo realmente necessário para ele, seja por status, necessidade básica, gosto, etc.

O empreendedor tem que estar na prática no dia a dia e não atrás de uma mesa em uma sala de aula, é preciso mais, nesta época a moda é Startup e vejo muita gente reclamando dizendo que não anda com o projeto pois não tem dinheiro, não tem equipe, não tem isso e não tem aquilo, amigos sinto muito, mas o que ele não tem na verdade é coragem de romper com um comportamento de comodismo.

Eu costumo falar que é necessária algumas doses de loucura para empreender e várias de transpiração e mais algumas de inspiração, nada de chegar para um possível investidor e falar que seu projeto depende de R$ para nascer, me desculpe a sinceridade mas eu comecei todos os meu projetos com muita pouca grana, a primeira empresa iniciei com mil reais e muita vontade de crescer, as outras nem com isto, então é possível sim.

Olhe para dentro e se faça estas perguntas:

1- Você realmente tem espirito empreendedor?

2- Está preparado para frustrações?

3 – Tem paciência para esperar?

4- Tem “peito” suficiente para segurar a bronca?

5 – Está preparado para ser julgado?

6 – Qual a sua verdadeira paixão?

7 – Está disposto a abrir mão da segurança financeira?

8- Sabe planejar?

9- Está disposto a trabalhar muito mais que um empregado?

10 – Quer fazer algo que mude a sua vida e a vida de outras pessoas?

 

Se quer empreender estas são algumas das perguntas que precisa se fazer antes de começar.

 

Abraços.
Anderson Gomes

Deixe um Comentário

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *